conecte-se conosco

Estupro

Pedreiro é preso suspeito de estuprar um bebê na zona Oeste de Manaus

Publicado

em

Manaus – Um pedreiro, conhecido como “Branco”, foi preso na manhã desta quarta-feira (29), suspeito de estuprar uma bebê de 1 ano e 10 meses, no bairro Tarumã, na zona Oeste.

O pedreiro é vizinho da família da vítima e estava negociando um serviço na casa da família, na noite dessa terça-feira (28), quando aproveitou o momento em que a mulher virou de costas para colocar o dedo na parte íntima da vítima.

A bebê estava sentada em uma janela com a irmã gêmea bem perto de Branco e de repente, gritou desesperadamente pela mãe.
Ela conta que questionou o suspeito sobre o que teria acontecido, mas ele desconversou e saiu do local. Em seguida, a mãe percebeu que a filha estava sangrando e que as partes íntimas dela estavam inchadas.

“Eu boto ela na janela para arejar um pouco e eu estava justamente falando para ele que eu queria fazer uma nova estrutura lá e quanto ele cobrava. E no instante que eu virei de costa, a minha filha gritou e se arriou lá mesmo. Eu fiquei sem noção do que fazer (…) Eu fui examinar ela, e estava a secreção, ela sangrou . Ela gritou justamente na hora que ele estava lá com a mão para o lado de dentro da janela. Ele nega, mas como ela está assim?! Ela está machucada”, diz a mãe da bebê.

Na manhã de hoje, a mulher procurou a delegacia e contou que o homem já tinha assediado as filhas outras vezes, inclusive 3 dias antes do fato:

“A três dias, o meu marido estava tomando banho no banheiro e como é tudo apertado, elas duas (a vítima e a irmã) estavam sem fraldas. Eu fui no quarto ver a bebezinha e ele botou a cara na janela. Quando eu voltei, ele estava com a mão para o lado de dentro da casa. Eu percebi e falei com o pai delas”.

O pedreiro nega o crime, mas foi preso e deve permanecer assim durante a investigação do caso. A mãe fez fotos das partes íntimas das duas filhas e garante que uma delas foi violentada. A criança deve passar por exame de corpo de delito e os laudos devem ser entregues à polícia. 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas